AO VIVO
Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
Busca
Salvador
27ºmax
23ºmin
Correios Celular - Mobile
Eleições 2020

Felipe Sabará: governo municipal gasta muito e mal

Candidato do Novo diz Capital é a "terra da burocracia", que atrapalha a vida do empreendedor, com taxas e regras, estrangulando a economia

08 outubro 2020 - 13h35Por Paulo Toledo


A cidade está abandonada! O diagnóstico é de Felipe Sabará, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo Partido Novo, na série de entrevistas com os candidatos a Prefeito, realizada pelo Diário Popular IPTV. Para ele, o governo municipal gasta muito e mal e, por isso, não é possível se ter bons resultados.

Sabará destaca que é preciso estimular o empreendedorismo, explorar as regiões de oportunidade, que são os bairros mais distantes, incentivando que haja investimentos nessas regiões, que tem a oportunidade de crescer. Para ele, a economia paulistana já não vinha muito bem, mas a pandemia piorou. 

O candidato do Novo destacou que apenas 3% dos Micro Empreendedores Individuais (MEIs) do Brasil estão na cidade de Sampa, o que considera extremamente baixo pelo potencial do município e pelo que ocorre na realidade da economia informal. Para ele, hoje em dia, a Capital é a “terra da burocracia”, que atrapalha a vida do empreendedor, com taxas e regras, estrangulando a economia.

Sabará afirma que a cidade precisa de um prefeito que conheça o setor privado e esteja disposto a enxugar a máquina inchada e pesada.

Revitalização
O candidato destacou que o Centro de São Paulo já tem toda infraestrutura e acredita que é necessário trazer a população de volta, mudando o atual cenário do Centro, que é de abandono. Além disso, acredita que é preciso resolver a questão da Cracolândia, realizando tratamento na origem do problema dos drogados, atacando a causa raiz e gerando qualificação e emprego para essas pessoas.

Sabará criticou a reforma do Vale do Anhangabaú, que deveria custar R$ 85 milhões e já custou R$ 100 milhões. “Valor que daria para zerar a fila de creches na cidade”, reclamou, ressaltando que é a favor da desmobilização de cerca de 40 mil imóveis pertencentes à Prefeitura para utilizar o dinheiro em educação e saúde.